Era véspera da tradicional festa de rodeio da cidade. Sempre morei em cidades pequenas e acho que todas elas têm dessas coisas. A cidade fica cheia e movimentada. Desde que mudei para o Rio nunca mais havia ido a nenhuma festa parecida com o que sempre tinha na minha cidade. Mas, dessa vez coincidiu que eu estava de férias tanto da faculdade como do trabalho e havia resolvido ir pra casa. Afinal, tanto tempo fora faz com que a saudade só aumente, por mais que eu não goste da cidade meus pais estavam lá, e é deles que eu tinha muita saudade. Acho que já nem tinha tantas amizades como na adolescência. Então, resolvi dar uma volta na cidade pra ver se esbarrava com algum conhecido, sei lá, buscando uma maneira de me entrosar. Calcei meu velho all star, uma calça rasgada, que por sinal eu adorava e minha mãe odiava, e um moletom. Nunca gostei de nada muito chique ou extravagante. Acho que por isso nunca tive muitas amigas, afinal todas andavam lindas e super maquiadas, o salto alto nunca faltava. E isso nunca foi meu estilo. Resolvi ir para o local onde acontecia a festa, sempre é cheio de barracas com um monte de coisas que nunca sei pra que servem, mas que as pessoas sempre compram, mas o que eu gostava mesmo era a barraca de maçã do amor. Resolvi ir até lá, afinal como não encontrei com ninguém nem iria demorar. Essas barracas sempre têm muitas guloseimas que eu adoro e fazia tempo que não me dava esse prazer. Chegando lá pedi duas maças e algumas cocadas, enquanto o moço arrumava me aproximei do parque e lembrei o quanto já havia passado momentos felizes por ali. Hoje tudo mudou muito. Escolhas. E não me arrependo delas. Lembrei de você. Então, o moço disse “ei, suas maçãs”, paguei e fui em direção ao parque. Ia andar de roda gigante, era a minha favorita. Fui até a fila dos ingressos. Eu odiava esperar, e a fila estava enorme, peguei uma maçã e fui comendo até chegar a minha vez, eu era a dona de me sujar toda, parecendo criança quando está aprendendo a comer. Senti um perfume e voltei a lembrar de você. Não estava entendo o porquê que a cada coisa que olhava ou fazia todas as lembranças voltavam. Mas acho que não era só uma lembrança, algo estranho estava acontecendo, sentia cala frios, coisa que nunca aconteceu comigo. E aquele cheiro só ficava mais intenso. Foi quando alguém falou ao meu ouvido (e meus arrepios só aumentaram) “quanto tempo, o que te trouxe aqui?”. Era você. Tentei responder da maneira mais natural possível, “as férias me trouxeram até aqui”. E virei. E vi seu rosto. Continuava lindo. Como sempre. Foi então, que você me deu um longo e apertado abraço, como nos velhos tempos e ainda completou “você continua se sujando com a maçã até hoje”. Senti como se tudo se encaixasse novamente, mas ao mesmo tempo lembrei que aquilo não poderia acontecer, e que nunca mais voltaria ao tempo, e jamais me permitiria voltar ou sequer ter alguma recaída. Eu tinha uma vida no Rio e você tinha a sua vida aqui. Mas parece que aquele abraço me mostrava que você continuava o mesmo e com o mesmo sentimento de quando eu, simplesmente eu, resolvi deixar tudo e correr atrás dos meus sonhos. Você queria que eu continuasse ali, sonhando os seus sonhos, mas eu queria sonhar e realizar os meus. Você me convidou pra irmos juntos na roda gigante e eu claro que jamais conseguiria dizer não. A fila tão longa se tornou rápida. Enfim na roda gigante e com você. Nunca imaginei que aqueles dias de férias ali me levaria a relembrar bons tempos. E a roda começou a girar e depois de algum tempo estava só nos dois parados no mais alto dela. E você me olhou como se fosse à primeira vez que me via. Me encarava de uma maneira que não entendia. Não era possível que depois de tanto tempo você ainda sentia algo, principalmente depois que eu te abandonei por causa de um sonho. E você me beijou e o tempo parou. Eu sabia que tudo aquilo não poderia acontecer, era como se eu desce esperança a você. Mas, eu também queria. Era uma mistura de sentimentos confusos que eu jamais saberia explicar, mas foi quando eu percebi que eu sentia a mesma coisa por você. Era um amor inexplicável, o qual nem o tempo ou a distância saberia explicar. E o beijo acabou e você sorriu. E a única coisa que eu consegui falar foi que aquilo não poderia ter acontecido, dentro de três dias minha vida voltaria ao normal, eu estaria no Rio e estaria te deixando novamente. Mas, novamente, ele sorriu. Eu estarei lá com você. Como assim? Eu fiquei sem entender toda a situação. Foi quando ele me disse que quando ficou sabendo que eu estava na cidade, saberia onde me encontrar, na fila da roda gigante. Por isso, ele me procurou. Por isso, do cheiro junto há mim o tempo todo. Ele dissera que resolveu mudar pro Rio pra me reconquista, pra viver comigo. Aquilo tudo parecia um sonho, mas ao mesmo tempo uma loucura. Nosso reencontro. Foi quando acordei, com seu cheiro no ar e percebi que era só mais um pesadelo com você. Desde que resolvi largar você em busca de novas coisas é assim sempre, todas as noites. Só espero que um dia realmente agente se encontre, não nos sonhos. Mas na fila da roda gigante e que tudo recomece. Que assim seja.


Deixe um comentário

Novidades por e-mail