por Bruna Vieira

Eu queria olhar você de novo. Tocar sua pele, sentir seu cheiro e fazer de conta que o tempo nunca esteve entre nós. Falar bem baixo em seu ouvido todas as palavras que durante esses meses, foram apenas escritas e guardadas na última gaveta daquela velha estante do meu quarto.  Abraçar você em uma madrugada fria, e deixar nossos corpos se esquentarem, sem pressa. Não perder nenhum detalhe. Ouvir seu silêncio.

Ah, meu bem, como eu queria que você me entendesse. E me desculpasse também. Joguei sobre nós todos os meus medos e incertezas. Deixei no caminho cacos de vidro, e nem isso te fez desistir. Acho que no fundo, o amor, puro e em paz, era novidade pra mim.  Eu amava você, mas ainda precisava saber como era viver o resto. Fugi.

Costumava ter certeza de tudo. Agora, às vezes, me dão umas crises de choro e desespero que parecem não ter fim. Nem motivos. É um uma espécie medo e ao mesmo tempo, uma incerteza de tudo que quero ser, de tudo que fiz pra chegar onde cheguei. Eu deveria estar sorrindo e abrindo um champagne nesse exato momento. Mas ao invés disso estou aqui, pensando em você e me perguntando se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Fico tão cansada de reviver todo dia tudo isso, e digo para mim mesma que está errado, que eu deveria voltar atrás e correr para algum lugar onde você possa me encontrar. Só me resta saber, ainda me procuras?  Sempre te imaginei sentindo minha falta antes de dormir.

Então como naquele dia, a gente se encontra por acaso na rua e dizemos sem nem olhar direitos nos olhos: “Oi, como você tá?”. Em seguida trocamos algumas palavras sobre a vida e os nossos novos rumos – como se fossemos maduros o suficiente pra lidar com tudo isso. Digo que vou bem, e você responde que jamais esteve melhor. Então, até mais, boa-tarte, um beijo, e tchau.

Final da história: Eu me sentindo uma idiota, você sentindo sabe-se lá o que.


Deixe um comentário

Novidades por e-mail