Hoje quando acordei, levantei com a sensação de que algo iria acontecer. Sonhei com você. Novamente. Não me surpreendeu. Sabia que a espera de um dia você voltar era única, e a certeza de que você não voltaria era certa. Mas a sensação a qual eu havia acordado, não passou. Permaneceu por uma boa parte do dia. Quando o telefone da minha mesa tocava, pensava agora é ele. Mas não era. Até que meu celular fez barulho que alguém havia me mandado uma mensagem, então estava ocupada e nem dei importância, pois a certeza de que era a operadora oferecendo mais uma promoção inútil era certa. Então para que me preocupar? Então resolvi abrir a bolsa e pegar o bendito celular, pois ele havia novamente feito barulho, com o recebimento de uma nova mensagem. A operadora não era. Mas era um número que eu não tinha na minha agenda. Com um texto que no momento achei confuso, duvidoso, afinal era primeiro de abril. E a sensação continuava. E por incrível que pareça, o que tanto esperava todo dia antes de deitar e quando acordava, aconteceu. Era você. Lembrei do seu número quando o vi. É que para tentar apagar você do meu coração todas as borboletas tristes que deixou para trás, apaguei seus números, excluir você de tudo, MSN, Orkut, enfim não conseguia excluir você só da minha vida. Mas era você pedindo para conversar, dizendo que me amava. E aquela sensação permanecia, porém com menos força. Acho que era porque o que eu tanto esperava havia acontecido. Desde que você se foi a sensação sempre permaneceu, mas não com tanta intensidade quanto hoje, às vezes é porque meu coração talvez já saberia o que iria acontecer. Mas parei e pensei se deveria ou não responder. Não respondi. Sabe por quê? Porque o meu medo é que você leve meu coração, de novo. Justo agora que comecei reconstruí-lo. E quando chegar em casa, vou guardá-lo na última gaveta do meu guarda-roupa, para que não corra o perigo de me esbarrar em você por aí, e você conseguir levá-lo. Sua ausência na minha vida foi uma das piores partes até agora, mas a sua presença me causa medo. Medo de sofrer, medo de me machucar e passar por tudo novamente. Mas disso tudo que aconteceu nos últimos meses foi muito bom, apesar de toda tristeza. Não é a melhor forma de se aprender as coisas, mas eu aprendi com meus erros, a super grandes dificuldades, muitas vezes geradas por mim mesma. Podíamos estar bem, felizes, talvez como um casal normal como muitos por ai. Apesar de que, pelo pequeno período de namoro, sabemos que nosso namoro não era como de muitos por ai, o nosso amor era enorme um pelo outro, causava inveja, e talvez por tudo isso, que não deu certo. Havia insegurança, imaturidade de ambas as partes. E hoje acho que se acontecesse tudo novamente, seria mais calmo, mais maduro, mas talvez não com tanto amor como antes. Mas só o tempo poderá nos dizer o que vai acontecer. Sei que o que acontecer, é porque tem que acontecer. O nosso destino já é certo, está escrito. Portanto, cabe a nós esperar. Hoje não estou pronta para recomeçar, mesmo com todo o amor que permanece intacto como antes, como da primeira vez que você me olhou. Mas quem sabe daqui a algum tempo, estarei pronta para conversar com você, uma conversa decisiva talvez, mas que para nós com toda certeza terá muita importância. Mas hoje, meu coração permanece dentro da ultima gaveta, guardado, preparando para o que o destino me enviar.


Deixe um comentário

Novidades por e-mail